Responsive image

03/02/2017

Compro de quem faz, o movimento em prol da nossa gente

Estamos tão acostumados a comprar de grandes indústrias e empresas que produzem em lote e vendem produtos em embalagens fechadas e prontos, que nem sempre paramos para pensar que o único propósito disso tudo é lucrar. Lucrando sobre os nossos gostos, produzindo peças e produtos da moda e utilizando campanhas publicitárias que nos atingem, as empresas nos prendem nessa bolha e nos fazem acreditar que essa é a única maneira de consumir. Foi com o propósito de mostrar a realidade do consumo exagerado e voltado para o capitalismo que o movimento “Compro de quem faz” surgiu.

movimento compro de quem faz

“Mas por que buscar comprar de quem faz, se estou satisfeito assim?” No momento em que você adquire algo de uma grande empresa, está incentivando a produção em grande escala, o que pede políticas competitivas e agressivas, o que leva, muitas vezes, a empresa a desrespeitar as leis trabalhistas. Além disso, estamos incentivando a produção capitalista, a qual só pensa em si própria. Quanto mais empresas de produções em lote existirem, melhor para esse sistema no qual vivemos, pois assim mais lucro vai ser gerado, mais empresas podem surgir e mais cegos vamos ficando para isso tudo, visto que somos ensinados que isso é o certo e à medida que o tempo passa, isso torna-se uma regra de nossas vidas.

Quantas vezes temos a chance de comprar algo de um morador do nosso bairro mas acabamos comprando em um shopping? Estes vendedores autônomos são os que definem o seu método de trabalho, a sua matéria-prima e, principalmente, são os que buscam o seu próprio sustento ao vender algo feito por eles próprios. Nós, consumidores, devemos refletir sobre para onde o nosso dinheiro está indo, então, por que não investir em ajudar alguém da sua região?

O seu investimento vai ajudar a pessoa, a família dela e vai incentivá-la a investir no trabalho autoral que tem feito. Nesse ciclo, você ajuda a criar uma economia colaborativa, repleta de empatia, boas energias e focada para a sustentabilidade, já que tendo menos intermediários, o produto ganha mais valor em todos os processos, incluindo a maior qualidade.

“Compro de quem faz”: valorização e amor

Ao comprar de quem faz, adquirimos um produto feito por uma pessoa que coloca toda a sua história de vida, força e energia nos produtos. O amor, a boa energia e uma história são gerados através de investimento em produtos com maior qualidade, feitos com carinho e muitas vezes, exclusivamente para você. Além disso, você valoriza a produção nacional. É nosso, “da nossa gente”.

Comece hoje. Compre frutas do feirante da esquina da sua rua, pães e comidinhas da senhora que passa de casa em casa oferecendo, artesanato daquele seu colega de trabalho, agendas feitas à mão por aquela escola de artesanato…Busque produtores da sua rua, depois do seu bairro, e então da sua cidade. Ah, você também pode comprar de pessoas que produzem e vendem pela internet, viu? Sua ajuda e seu investimento em qualidade+amor não precisam ser barrados pela distância. Depois de um tempo, você vai perceber o quão gratificante é comprar da nossa gente. 

Para conhecer mais sobre o movimento “Compro de quem faz”, você pode acessar o site e o blog do CDQF.

azul

 

(Visited 142 times, 1 visits today)

Sobre o Autor

Gaúcha, 18 anos, estudante de fotografia, louca por seriados e apaixonada pela arte. Quer saber mais sobre mim e o blog? Clique aqui

Postagens Relacionadas

Facebook

Comentários

  1. Oi, Liz!
    Fiquei muito contente em encontrar esse post aqui no blog.
    Também acho importante comprar diretamente de quem faz as peças, artesãos, costureiras, etc, pois além de movimentar a economia local, prestigiando os que moram perto de nós e tanto trabalham para ganhar seu dinheiro, acabamos também “desacelerando” o mundo do fast fashion, que é tão prejudicial ao meio ambiente.

    Parabéns pelo post e pelo blog.
    Beijos
    https://sobrecadamomento.blogspot.com

  2. Camila Neves disse:

    Adorei a iniciativa, Liz! Meus pais são pequenos empresários. então sei como é importante dar valor aos pequenos produtores também 🙂

    Beijo! <3
    Cami.

    http://www.delamila.com

  3. Que post mais incrível, fiquei apaixonado e adorei a ideia, já vou aderir. Adorei seu blog.

  4. Estou procurando comprar de pequenas empresas também, especialmente as que fabricam as coisas, acredito muito no apoio do pequeno comerciante e do microempreendedor, adorei seu post por expor os benefícios dessa escolha. Parabéns!

  5. Julie disse:

    QUE MOVIMENTO MARAVILHOSOOOOOOOOOOOOOOO SOCORRO! hahaha não conhecia e graças a este post conheci e fiquei encantadíssima e interessada em participar. Que lindo isso, fazer esta opção realmente traz mais vantagens que muitos imaginam inclusive colaborar com os sonhos do próximo o que me chama muita atenção! Parabéns pelo post, sério! Amei de verdade.

  6. Júlia Maria disse:

    Eu como moro em cidade pequena já sou adepta aohaha movimento, aqui não tem fast fashion, obvio que encontra algumas (varias na real)lojas que vendem em larga produção, mas o numero de lojinhas “manuais” é muito grande por aqui também. Então já é um costume comprar em lojas assim, sem contar nas comidas deliciosas e artesanais ♥♥ Muito amor o projeto e a tendencia é espalhar pelo visto, não é a primeira nem a segunda vez que vejo alguém citando o assunto, fico muito feliz!!
    Beijão

  7. Milena disse:

    Se tornou algo tão mais prático ir a um shopping/supermercado e comprar tudo o que precisamos lá que já não nos passa pela cabeça todo o significado disso, então muito obrigada por abrir meus olhos nessa questão! Vou começar a dar mais valor a quem passa de casa em casa vendendo o que faz 💖

  8. Olha, eu não vejo nada de errado em querer lucrar, todo mundo quer ganhar dinheiro, quer fazer coisas legais que custam caro. Mas acho que tudo em exagero tem problemas e seria bem legal desencorajar um pouco o consumismo. E super apoio o movimento, até porque eu mesma me arrisco a “fazer” as vezez haha e adoro comprar coisas artesanais, principalmente em viagens. É como se a gente guardasse um pouco do lugar com você ♡

  9. Adorei a iniciativa! Sempre tento comprar em lojas de bairro e nacionais. As vezes não rola pq infelizmente o que vem da China é bem mais barato… mas enfim, na medida do possível tento comprar de quem faz!

  10. Amo comprar de quem faz! Inclusive faço parte dessa equipe por causa do meu trabalho de pet sitter <3 Faço parte de alguns grupos de mulheres no face sobre o assunto e é muito bom ver o tanto de gente maravilhosa com trabalho maravilhoso!

  11. Nicole disse:

    Ainda não tinha ouvido falar sobre o projeto mas sempre pensei sobre esse assunto. Eu acho que comprar da propria pessoa que fez é um ato de amor. Uma coisa tão mais pessoal do que ir a uma loja grande comprar aquela blusa que todo mundo tem.

  12. Carol-V Alt-C disse:

    Olá, tudo bem?

    Estou iniciando a carreira de artesã e sei como é importante esse movimento, pois nos incentiva a sermos mais criativas e dar a nossa essência para embelezar a vida das pessoas. e meus parabéns por que deu luz a esse movimento 😀

    Beijos
    Blog Estrelas Vigiadas
    Carol Valeriano

  13. Luana Souza disse:

    Seu post trás uma reflexão muito bonita! Quase nunca paramos pra pensar que deixamos de ajudar e dar a oportunidade para uma pessoa que realmente cria os produtos; sempre preferimos comprar o que está pronto numa loja de departamentos ou coisa do tipo. Inclusive, ontem eu estava vendo o vídeo de uma fotógrafa que falou justamente sobre como é difícil pra um artista vender seu trabalho aqui no Brasil.

    Parabéns pelo post <3

  14. Selma Barbosa disse:

    Eu já tinha lido alguma coisa sobre isso numa postagem alguns anos atrás. Legal é que com a internet facilita muito que realmente quer se engajar nesse projeto. Tanlup, Elo7 e Iluria tem centenas de lojinhas de gente que vende roupa, artesanato, papelaria e decoração tudo feito à mão, um por um. Um carinho que dá gosto de ver. O melhor é como os produtos chegam em casa: um embrulho diferenciado, quase sempre um bilhetinho de agradecimento e um amor que dá pra sentir ser emanado do que foi feito. Além de toda a questão social, é um ato que incentiva ainda mais uma área comercial que é tão desvalorizada há tanto tempo, né? Tanta gente talentosa que não consegue viver da arte porque estamos com a cabeça virada focados só num produtos que a mídia nos impõe. Muito triste isso.
    Adorei seu post, muito explicativo e bem incentivador. Apesar de o custo geralmente ser maior – justamente devido ao trabalho diferenciado -, pretendo seguir essa iniciativa em breve.

    Com carinho,
    Conto Paulistano.

  15. Jade Amorim disse:

    Eu adoro essa iniciativa. Conheço muitos artesãos e etc, um dos meus clientes inclusive é um. E acho que principalmente, nem tanto a questão economica, é que comprando de quem faz tu tem produtos muito mais exclusivos né? :3
    Adorei seu post! <3

    Beijos

  16. Laura Nolasco disse:

    Adorei o post!
    Tenho um programado com o mesmo assunto… Esse projeto é incrível e comprar de quem faz é a coisa mais gostosa do mundo!
    E divulgar essa ideia é maravilhoso também!
    Beijos!

  17. Liz, eu amei demais esse post! Não conhecia essa iniciativa “Compro de quem faz”, nem sabia que era um movimento. Mas achei muito legal! Às vezes podemos fazer a diferença com pequenos atos, iniciando pela maneira que consumidos os produtos e de quem consumimos.
    Beijos, parabéns por esse post incrível.

  18. Você é um encanto de pessoa! Sou super adepta do Compre de Quem Faz, e gosto de divulgar artistas do movimento lá no blog <3 Adorei como você explicou sobre o movimento, sempre linda!

  19. Karoline Krahl disse:

    Ah, esse post <3 Eu conheci essa iniciativa faz cerca só dois anos, de realmente parar e pensar nos benefícios dela. Mas, desde então, eu conheci pessoas maravilhosas, com histórias de vida incríveis e produtos mais maravilhosos ainda. Acho que todo mundo deveria pelo menos conhecer e repensar um pouquinho, porque se cada um passar a consumir pelo menos 10% dos seus consumos normais apoiando essa causa, imagina a mudança que isso traria?

  20. Aline Callai disse:

    Oi Liz! Que iniciativa bacana, adorei! Eu estou tentando criar esse hábito também de quem faz, sinto que as coisas são produzidas com mais carinho e individualidade a cada peça <3 Realmente é muito amor!

    Beijos

  21. Renata disse:

    Adorei a postagem sobre o tema, muitas pessoas ainda desconhecem e não sabem a importância de valorizar as pessoas que produzem seu próprio sustento. Eu e minha irmã fazemos várias coisas artesanais e, muitas vezes o que sempre ouvimos é que está caro, que se é feito em casa, tem que ser barato. Às vezes é difícil competir com a produção em massa e, em alguns casos, a pessoa pensa que, se você faz aquilo, só pode ser por hobbie… rsrs Claro, vamos todos viver de hobbie!
    O legal da campanha é mostrar que, além de contribuir para o não engrandecimento do sistema, você ajuda também as pessoas que dependem dessas coisas.
    Ótimo post!
    xoxo

  22. Oi, tudo bem?

    Sempre que posso, opto por pessoas que trabalham fazendo suas peças para vender. Além de ajudar, diminui a possibilidade de ver a mesma roupa em várias pessoas, o que acontece nas lojas de departamento. Tem uns grupo no fb com esse tema, chama Compro de quem faz das minas – sampa. Lá tem de tudo, desde artesanato a comidas veganas.

    Beijos

  23. simone disse:

    Que lindo seu post, e falando em comprar do feirante, tbm temos a certeza que são frutas mais saudáveis. Pequenos produtores não costumam usar agrotóxicos. Sempre que eu posso eu compro de quem faz.. <3 beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *