Responsive image

08/12/2016

Eu só tenho a certeza de que não sei quem sou – e tá tudo bem

a certeza de nao saber quem sou

Aos meus cinco anos, escutei de meus pais: ‘o que você quer ser quando crescer?’. Veterinária, eu disse, quero cuidar dos animais! E então eu desenhei a planta do meu consultório com todo o cuidado e amor possível. Três andares: um para mim, um para minha prima e um para a clínica, é claro. Ah, eu só iria fazer a parte legal, certo? Sem cirurgias pro meu lado, disso eu tinha certeza.

Aos dez, me descobri uma possível pintora. Era um segredo, mas eu queria vender quadros lindos como os de Van Gogh e também passar a mesma aura que Da Vinci conseguiu com sua pintura. Eu gostava de Rebeldes, sonhava em ter a voz bonita como a da Roberta e namorar um cara lindo como o Diego.

Já aos doze, eu não pensava sobre profissões. Talvez, naquela época, eu apenas vivia sem essa preocupação severa. Restart dominava o meu coração e NX Zero tocava a mil na malhação, minha novela favorita. Eu não tinha certeza do que eu queria, mas eu sabia do que eu gostava de fazer para aproveitar a vida, e quem sabe essa tenha sido uma das melhores épocas da minha vida.

Aos catorze, a dúvida bate na porta novamente: o que você quer ser? “Eu não sei, e você?” Na minha cabeça, o que sempre ecoou foi ‘eu quero ser gente’, mas só isso eu não posso ser. Pressão, pressão e mais pressão. Por que a pressão de definir tudo tão cedo? Por que devemos ganhar tanto dinheiro? Por que devemos ser conhecidos? Por que não podemos apenas viver?

Ensino Médio. Estudos, estudos e estudos. Testes vocacionais, livros sugeridos por tal faculdade e muito simulado. Mas, espera, o que eu quero ser? Arquiteta, psicóloga, designer, historiadora, jornalista ou publicitária? Eu nunca soube responder a temida pergunta, eu nunca soube o que eu realmente quero ser.

Das telas de Van Gogh aos livros de história, o meu desejo não era e nunca foi descobrir o que eu queria ser, e sim quem eu queria ser. Descobrir isso, claro, é desafiador e, segundo alguns, não existe possibilidade, já que estamos em constante transformação. Mas, sabe, é justamente isso que me encanta em me descobrir: eu gosto de estar em transformação a cada segundo, de sentir o sangue correr por minhas veias e saber que eu estou, com certeza, mudando. Hoje eu posso amar cinema, cursar fotografia e estar lendo um livro sobre a segunda guerra mundial. Amanhã posso cursar filosofia, amar animes e estar lendo um livro sobre cozinha italiana.

Nós não precisamos definir o que queremos cursar, no que queremos trabalhar e como vamos seguir a vida já quando crianças, muito menos quando pré adolescente e se não estivermos nos sentindo bem, nem quando jovens. Tá tudo bem seguir em frente assim. Se descubra, se conheça e se transforme quantas vezes for necessário. Hoje, eu só tenho a certeza de que eu não tenho certeza de quem eu sou – e tá tudo bem nisso. A essência da vida é a gente ser gente.

Vale a pena assistir: A gente nasceu pra ser gente

(Visited 218 times, 1 visits today)

Sobre o Autor

Gaúcha, 18 anos, estudante de fotografia, louca por seriados e apaixonada pela arte. Quer saber mais sobre mim e o blog? Clique aqui

Postagens Relacionadas

Facebook

Comentários

  1. Francine disse:

    Que texto lindo e verdadeiro ♥ Fiquei encantada por ele! Eu me identifiquei, passo anos me perguntando o que eu quero ser, e é tanta confusão dentro de mim para responder essa simples pergunta. Mas, afinam o importante “é a gente ser gente”!

  2. Kelly Mathies disse:

    Que texto incrível, Liz ♥ É tão difícil nos rotularmos e termos o mesmo pensamento para sempre. Somos constantes mudanças e não há nada que faça parar essa vontade louca de ser alguém, ou um ninguém. A verdade é que queremos o mundo, e ele próprio muda o tempo inteiro. Podemos ser quem quisermos ser, independentemente de um curso ou de um sentimento. Acho que a melhor parte da vida é justamente essa: a mudança. Transformação é tudo. Um dia somos o que somos, no outro não sabemos ao certo. E sim, tá tudo ótimo.

  3. Pyetra Melo disse:

    Que texto incrível, Liz. Aos cinco eu tinha completa certeza sobre a vida e levei isso até a metade do ensino médio. A essa altura eu já não sabia mais o que eu queria da minha vida, o que eu queria do futuro. Então apostei na minha certeza dos cinco kkk acho que fiz a escolha certa hein
    Beijos
    https://pyetramelo.blogspot.com.br/

  4. Esse texto me lembrou aquela passagem da Alice que ela mudou tantas vezes aquele dia que não sabia mais quem era…
    A vida é isso, uma constante transformação.

  5. Esse texto me encantou de uma forma sem explicação! Fez eu pensar e repensar na minha vida toda, porque uma coisa é certa: nós sempre procuramos coisas materiais para preencher a falta de coisas naturais, de olhar o pôr do sol ou ver as águas da cachoeira cair, ficar 3 minutos a mais na cama para pensar um pouco mais.

  6. Lulu disse:

    Desde pequena tinha uma certa noção do que fazer. Fiz teste vocacional e deu Publicidade e Odontologia. Me formei em uma dessas áreas, no entanto a oportunidade não surgiu e me vi obrigada a mudar de área para custear meus estudos pós faculdade.
    Hoje me vejo atuando totalmente fora da área.
    eliz 2017! Muitas bençãos, saúde e sucesso pra vc!
    Big Beijos
    Participe da nossa pesquisa de público 2017
    Meu Canal You Tube

  7. Johnny Victor disse:

    Cara, é isso, sabe? Eu, vira e mexe, me pegava sempre me questionando essas coisas. Mudava constantemente de vontades e nunca conseguia definir exatamente o que queria ser ou fazer. Eu só queria… ser.
    Ser gente, em constante transformação e sempre aprendendo coisas novas. Isso enriquece muito e ajuda a amadurecer. Quando parei de me cobrar tanto e a viver mais, entendi muito melhor as coisas.

  8. Lia Cardoso disse:

    O titulo do texto me impactou porque realmente eu estou me sentindo assim sem ter certeza de quem realmente eu sou ,minha vida ja estar toda projetada eu trabalho num escritorio de contabilidade e estou terminando a faculdade de contabilidade e mesmo com esse futuro todo definido as vezes me deparo com essa pergunta quem eu sou? o que eu quero ser? eu nunca sei ao certo mais queria viver sem ter tantas preocupações afinal a vida passa tão de presa pra se preocupar so em como ganhar dinheiro amei seu texto me fez refletir muito na minha vida e o que eu realmente quero dela.E que sucesso não é ser bem sucedido em ter dinheiro,Sucesso é você descobrir o que realmente te faz querer acordar todos os dias e querer viver…

    1. Liz Chollet disse:

      Exato, Lia! O sucesso vem de dentro da gente, do que conquistamos internamente, conosco mesmos e do bem que fazemos para com os outros. Espero que, apesar de tudo, esteja bem no teu curso, qualquer coisa podemos conversar, viu?!

  9. Francisco disse:

    Que texto incrível! Me inspirou muito, me tocou, me emocionou.
    Me fez refletir sobre a vida e sobre quem realmente somos.
    Tô apaixonado com esse tema!
    Parabéns!! Beijos

  10. Carol disse:

    Que legal! Eu também pensei em ser veterinária e hoje sou designer. Temos que viver, aproveitar as oportunidades e como você falou, ser gente, só isso. Acreditar sempre e seguir a vida. Lindo texto liz, amo tudo que você escreve. ❤

  11. Essa pressão não ajuda em nada :/
    Eu já pensei tanta coisa, em ser bióloga, química industrial, nutricionista, educadora física, biomédica… Já me criticaram por ter saído de um curso pra me dedicar a outro, por mudar de área… mas espera aí… Por que a gente não pode arriscar, fazer o que queremos no momento, seguir o nosso coração? A vida é uma só, precisamos seguir o que nos faz bem e não nos vermos moldados em algo que querem pra nós.
    Se todo mundo pudesse se conscientizar disso tudo certamente o sofrimento, todo o stress e depressão que surge a partir desses dilemas seriam menores!

  12. Júlia Charan disse:

    Eu acho que todo mundo passa ou já passou por isso em algum momento da adolescência, principalmente, no terceiro ano, né? É uma cobrança fodida por nada… aliás, a gente não precisa ser reconhecido por isso né? Acho idiotice ser reconhecido pelo seu trabalho mas não pela pessoa que voce é.

  13. KARINE disse:

    me vi demais nesse seu post! quando eu era pequena tb queria ser veterinária, depois quis trabalhar com moda, na adolescência quis ser fotógrafa, depois acabei virando arquiteta, trabalhando um pouco com isso e agora voltei pra fotografia, que é o que realmente me faz feliz. só o que está morto não muda, né? acho essas transições da vida extremamente necessárias 🙂

  14. Que texto! Parece que foi pra mim, sério. O importante é a gente ser a gente mesmo. E a vida vai acontecendo, né? Passei um tempão com esse medo e essa culpa de não saber o que queria ser. Hoje sou livre disso e vou vivendo como acho que devo e mudando quando tenho que mudar. Amei. Beijos!

  15. Carol Rocha disse:

    Liz você é incrível! Conheço tantas pessoas que precisam ler esse post, vou sair mandando todo mundo ler! Por muito tempo da minha vida eu vivi esse dilema sobre o que eu queria ser quando eu crescesse… No meu primeiro dia de aula de Biologia eu tive certeza de que era isso que queria, mas sei que não é assim com todos. E se um dia eu sentir que não é mais isso que eu quero sei que posso mudar, e isso é bom. Acredito que mudanças são boas sim. Beijos!

  16. Sabe Liz eu me sentia exatamente dessa forma, cada fase da minha vida quis ser uma coisa, e de uma hora pra outra decidi que queria ser fisioterapeuta, após formar, decidi que ser só fisio não me bastava comecei uma especialização. E hoje sabe no que eu trabalho, coordenadora de administrativa de um projeto de voleibol HAHAHAHAH nada a ver com a minha formação. Mas isso nos mostra que não adianta fazermos planos e querermos ser algo, eu acho que na vida a gente só consegue definir o que não queremos, os nossos “quereres” muda a todo momento, porém o que não queremos quase sempre se mantém.
    Excelente seu texto. Beijos

  17. Esse post me encantou de uma forma! Ja tinha lido e li de novo haha ta tudo bem não saber quem se é! eu mudo o tempo inteiro e acho isso a melhor qualidade que tenho, sou uma metamorfose!! haha nos cobram saber quem somos e o que queremos o tempo inteiro e essa pressão me impede muitas vezes de achar um caminho para seguir.. o pior de tudo é que alem de quererem que escolhemos tudo desde cedo, devemos estar dentro de todas as regras, devemos ter uma carreira de sucesso, próprio negocio, ganhar bem e ser bem sucedidas, termos uma família com filhos e casadas com um cara.. o primeiro passo que dei para sair da caixinha imposta pela sociedade ja foi me assumir diferente de todos! e ta tudo bem! Amei muito o seu blog, suas fotos também hahah como eu disse la no insta, um dia ainda tiro fotos com você hahah

  18. Ludmila disse:

    Acho que a maior certeza é que mudamos a cada dia. É muita pressão escolher algo pra ser a vida toda, tanto as 10 quanto aos 18 ou aos 30. Gosto de crer que posso deixar de trabalhar com cinema no dia que não estiver mais feliz com isso, e que tudo bem mudar. A vida é uma só pra a gente se prender a algo que não nos faz mais feliz.

    Bonito seu post e reflexão <3

    Um beijo*

  19. Natascha disse:

    Olha Liz posso dizer que nem aos 25 anos eu sei quem eu quero ser, e já fiz uma faculdade pra ter certeza de uma das coisas que não quero fazer mais! Muito complicado isso de decidir quando ainda somos novos, não temos um pingo de experiência e é exigido demais da gente! Adorei o texto! Bjoo
    http://www.taviajandomenina.com.br

  20. Nesse texto eu pensei em mim, mas em como eu sempre soube o que eu queria. As vezes tinha uns impasses, um gosto por um pouco de tudo, mas mais ou menos acho que sempre soube. Só que como você disse, a pressão. Ela foi a pior coisa pelo menos pra mim, eu aguentei, mas minha melhor amiga não, e entrou em depressão com mais ou menos 15 anos. A gente precisa repensar mesmo isso, em que não precisa ter pressa pra decidir a vida toda de uma vez; o melhor da vida é se reinventar mesmo! hahaha e tbm. hoje eu vejo black mirror e leio literatura russa, quem sabe amanha não leio literatura árabe (que já tenho uns livros assim na estante) e assisto sei la, Gossip Girl? ahahhah

  21. Que texto mais incrível! Me identifiquei demais! Eu já quis ser tanta coisa: arquiteta, pintora, advogada, estilista, arqueóloga. Acabei parando em moda mesmo pela liberdade do curso, mas sabe que esse negócio de ter que definir tão cedo o que queremos ser me dá muito medo? Porque, ao invés disso, não podem ser QUEM somos no momento? Muita coisa pode mudar até amanhã. Desde o me pensamento até aquilo que quero ser. Parece que temos que SER no futuro e isso acontece desde criança, quando nos perguntam “o que você quer ser quando crescer”? Porque não SER aquilo que somos agora? Mesmo que não saibamos necessariamente o que somos. E tá tudo bem. Não tem problema não ter 100% de certeza. Descobri que na maior parte do tempo eu sou uma bagunça completa por dentro. E tá tudo bem para mim ser assim.
    “Se descubra, se conheça e se transforme quantas vezes for necessário. Hoje, eu só tenho a certeza de que eu não tenho certeza de quem eu sou – e tá tudo bem nisso. A essência da vida é a gente ser gente.”

  22. AI MEU DEUS, ESSE TEXTO ME DEFINE! Liz, amei de paixão esse texto! Eu já larguei 2 empregos diferentes e duas faculdades. Eu andava me sentindo muito mal por isso. Tipo, eu tenho quase 24 anos e como assim não tenho estabilidade financeira? Isso passou a ser um fator extremamente preocupante para mim. Porém, fico muito feliz por ter passado por tudo isso, pois descobri do que realmente gosto e hoje me vejo em uma profissão. Descobri que não precisamos de UMA profissão. Podemos fazer várias coisas ao mesmo tempo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *