Responsive image

18/11/2017

Movimento lixo zero: uma nova aposta sustentável

Nós precisamos falar sobre o movimento lixo zero e sobre nossa produção de lixo. Segundo um estudo de 2015, o Brasil se tornou o quarto maior gerador de resíduos sólidos no mundo. A quantidade de lixo urbano produzida no país em 2015 atingiu 79,9 milhões de toneladas. Se formos analisar por indivíduo, o Brasil produz em média 387 quilos de resíduos por habitante por ano. O lixo representa,  uma grande ameaça à vida no planeta por sua quantidade e seus perigos tóxicos.

Se você fosse analisar os últimos cinco dias da sua semana, sabe quanto lixo gerou? Entre garrafas plásticas, sacolas, resíduos, restante de comida, materiais jogados fora…é bastante, né? O que mais me assusta é a quantia de lixo que produzimos a partir do plástico. Ele mesmo, que leva mais de 100 anos (em algumas fontes, o tempo é dito como indeterminado) para se decompor. Agora pense: quantos produtos originados do plásticas – e outros descartáveis -você jogou fora nesses últimos cinco dias? Garrafas de água, copos plásticos, copos de café, guardanapos, todas as embalagens que você joga…a lista continua e continua. Pode parecer complicado entender como reduzir tanto esse número, mas aceitar este problema de lixo já é um caminho.

É nisso que se baseia o movimento lixo zero: reduzir, ao máximo, a quantidade de lixo que produzimos – em relação a tudo! Viver um estilo de vida sem desperdício – ou quase zero – requer entendimento e desafios, além de muita inspiração. Tudo isso em prol da natureza, o que acarreta em uma vida melhor para todos nós. O movimento lixo zero deseja evitar a quantia produzida de lixo o volume e, automaticamente, a toxicidade dos resíduos e materiais.

movimento lixo zero

Dicas para aderir ao movimento lixo zero

O movimento faz relação com o estilo de vida minimalista, ao meu ver. Quando nos damos conta de que compramos demais, que exageramos e produzimos lixo pra caramba, podemos perceber que não precisamos de tanto. Um estilo de vida minimalista não significa abdicar de comprar o que você quer, mas sim te fazer refletir sobre o que é preciso e o que é a compra sem necessidade. Não precisamos, hoje, mudar nossa vida radicalmente, mas podemos, aos poucos, reduzir mais e mais o nosso consumo e a nossa produção de lixo. Para isso, separei algumas dicas simples e iniciais para começarmos.

Não compre garrafas plásticas de àgua – tenha uma única sua, de preferência de algum material não prejudicial à natureza! Sugestões: garrafas térmicas, tupperware ou qualquer uma que seja de um material mais duradouro. Se desafie a carregar sempre junto e assim não precisará comprar.

Tenha a sua própria xícara/caneca no trabalho, escola, faculdade. Uma boa pedida para esse desafio é o copinho do menos 1 lixo, ele reduz de tamanho, portanto pode ser carregado para onde voce for e pode ser usado para café, agua, bebidas…Vale o investimento!

Leve as suas próprias sacolas retornáveis! Sejam elas daquelas compradas em mercado ou as de tecidos, leve com você para o mercado/feira. Uma boa dica para acompanhar isso é aderir à comprar frutas, verduras e legumes sem o plástico que embalam no mercado. Você pode levar saquinhos de tecidos para coloca-las depois de pesar e pronto! Sugestão: SulSobags, as quais podem ser utilizadas também para conservação do alimento. (ps: lembre que também pode mandar fazer ou simplesmente usar paninhos que já tenha para não deixar as verduras diretamente em contato, evitando que amasse, etc)

Compre à granel. Assim, você pode levar potes que já tenha em casa e eliminar o plástico. É mais barato, muitas vezes mais saudável/de melhor origem e ajuda também a estimular o pequeno produtor.

Recuse canudos. Quando usamos não pensamos no impacto, né? Eu sei, mas vale a pena repensar: cada canudinho é mais um plástico virando lixo.

Faça uma composteira! Essa é uma etapa que ainda não concluí, mas é extremamente importante. O resíduo orgânico tem grande potencial de ser reciclado e se transforma em adubo, que alimenta as plantas e ajudam o meio ambiente (“sequestrando” os gases de efeito estuda). É possível fazer uma composteira ou comprar uma pronta.

Essas são dicas básicas para iniciar. Muitas coisas que ouvimos desde sempre, mas que por algum motivo, não aplicamos, certo? Chegou a hora de realmente agir e fazer a sua parte de verdade. O movimento lixo zero pode – e vai – muito além disso, pois é um estilo de vida, mas não é por isso que precisamos mudar radicalmente. Aos poucos, conquistamos essas mudanças.

Links úteis para entender mais e agir: guia para iniciantes – lixo zero | 30 dias de desafio – lixo zero | Canal Menos 1 Lixo | Org Lixo Zero Brasil

(Visited 27 times, 1 visits today)

Sobre o Autor

Gaúcha, 18 anos, estudante de fotografia, louca por seriados e apaixonada pela arte. Quer saber mais sobre mim e o blog? Clique aqui

Postagens Relacionadas

Facebook

Comentários

  1. Paola disse:

    Campanha maravilhosa! Infelizmente as pessoas esquecem que os resíduos existem no momento em que colocam o lixo numa sacolinha pro caminhão do lixo levar. E não é bem assim, isso é um problemão, só que daqueles “invisíveis”.
    A Faber Castel começou um projeto lindo, onde incentiva as pessoas a devolverem pra eles embalagens usadas de materiais escolares/de escritório (não só da marca deles). Se quiser saber mais, tem aqui oh: https://www.terracycle.com.br/pt-BR/brigades/brigada-de-instrumentos-de-escrita-faber-castell

    É sempre bom procurar se interar desses assuntos e divulgar!!

    Beijos Liz!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *